Arquivo | ENSAIOS HERÉTICOS RSS feed for this section

REVISIONISMO NO BRASIL

18 nov

13th International Biennial Seminar: World Political and Social Changes and their Impact on Jewish communities. The Kantor Center and the Audiatur Foundation Seminar on Antisemitism.

(1) TEXTO EM INGLÊS

(2) TEXTO EM PORTUGUÊS

(3) PROGRAMA DO SEMINÁRIO

separador-de-texto-small

(1) REVISIONISM AND THE STRENGTHENING OF BRAZILIAN EXTREME RIGHT

Currently, in electronic and audiovisual media, ideologues are promoting a destructive revision of History through fraud, manipulation and conspiracy theories, overlapping the historical facts with their deformed visions of the past.

In your subversion of History, revisionism focuses on key themes such as the Inquisition, tha Slavery, the Nazism and the Holocaust. About the Inquisition, bloggers from the self-proclaimed “new right” makes the following statements:

The Inquisition was a major step in the fight for human rights. Before the Inquisition had a lot more people condemned without investigation. (CARVALHO, 2015)

The Inquisition was dedicated only to save souls […]  Nobody died tortured by the Inquisition. (NOUGUÉ, 2016)

The instruments of torture of the Inquisition are all invented, all invented. All professional historians of the world know it. (CARVALHO, 2016).

The Inquisition was created to try to defend the ordinary citizen of lynchings.  (MOURA, 2017).

A technique of propaganda is to create shocking slogans. Through these slogans revisionists bloggers raise great discussions on social networks, increasing the number of views and likes of their pages, getting payments from YouTube. Some of these slogans are: “Hitler was a Socialist”; “Nazism is left”, “The Holocaust is a lie”; “The Earth is flat”; “The man has ever set foot on the Moon”; “There’s never been a dictatorship in Brazil”.

For your shocking nature, the revisionists slogans who thrive in cyberspace create a parallel universe, a fiction that replaces reality, apparently “enjoying” a youth that ignores History, and soon become unable to distinguish truth from untruth.

In Brazil, following a worldwide trend, the left went into decline and the right is on the rise. The impeachment of President Dilma Rousseff was interpreted as “coup” by the left, in a blind denial of their crimes, ignoring the popular protest that led millions of people to the streets.

The failure of the left in power and its inability to renew itself – praisiing dictators like Fidel Castro, Hugo Chavez and Maduro, and showing no solidarity to the people of Cuba or Venezuela – was extended by the investigations of corruption of judges of the Public Ministry, the Lava Jato movement inspired by the Italian movement Mani Pulite, which overthrew the traditional political parties and indirectly led to the power the most corrupt of the corrupts, Silvio Berlusconi.

Discredit released the political class has boosted the so-called “conservative” movements, represented by Evangelical pastors engaged in campaigns of moralization of society. They have long infiltrated in the policy to control the society through a legislation that favors the Christian mentality.

The so-called “Evangelical Caucus” in Congress currently has 99 deputies and senators, wielding enormous political influence and veting any measure contrary to their dogmas. Recently, the Universal Church of the Kingdom of God, led by Bishop Edir Macedo, has created an army of young uniformed pastors called Gladiators of the Altar, presented in a nazi coreography.

Prosecutors are investigating whether there is any connection between this army and the cases of destruction of catholic churches and sites of umbanda and candomblé – the religion of many black people.

Este slideshow necessita de JavaScript.

The intellectual mentor of the extreme-right is the mabusian figure of the writer Olavo de Carvalho. With 5000 students on the Internet that fanatically defend him as followers of a sect, Olavo de Carvalho was astrologer, Communist Party militant, Islamist, and today presents itself as a Christian fundamentalist and bastion of anti-communism.

The self-proclaimed “philosopher” is a partisan of the Bilderberg Group – New World Order – Illuminati conspiracy theory, in which the world is dominated by an “globalist and multiculturalist” elite, supported by “metacapitalists” like George Soros, supposedly in the service of communism. His debate with Alexandr Dugin was published in Romenia.

The political leader of the extreme-right is Jair Bolsonaro, a former captain of the Brazilian army, who participated in the hunt for Communist guerrillas during the military regime. He stands for dictatorship, torture, death squads (groups of officers responsible for exterminating criminals), the militarization of the public schools and the legal use of weapons by “citizens of the good”, for self-defense in the face of the impotence of the State in ensuring security public.

At the beginning of his political career he stated that, in power, would close the Congress and kill 30,000 “bandits”, including the then President Fernando Henrique Cardoso (BOLSONARO, 1999). He stated that Hitler was a criminal, but a great strategist (O FASCISTA, 2015). Pre-candidate for the Presidency of Brazil, Bolsonaro has a good chance to be elected in the midst of profound economic, political and moral crisis in Brazil.

Stephen Fry interwiews Bolsonaro:

Ellen Page interwiews Bolsonaro:

Popular among young people of the right and of the extreme right, Olavo de Carvalho and Jair Bolsonaro conquered a part of the Jewish community, as the former President of the Jewish Federation of Rio de Janeiro, Ronaldo Gomlevsky. All of them condemn the “degenerate art” supposedly promoted by “leftists paedophile”, the “gender ideology” and the “cultural Marxism” (MBL, s/d).

In March 2017, the President of the Jewish club Hebraica in Rio de Janeiro, Luiz Mairovitch, invited Bolsonaro for a lecture. In his show of rudeness, he compared the quilombolas to confined animals: “the slimmest of them weighed about seven at (unit of weight equivalent to 15kg), and would not be able to breed”. Commenting on his trip to Israel, he bragged of having four sons, actually five, when he gave a “fraquejada” (“weakness”) and was born a girl”. The audience cheered and laughed at the vulgar Bolsonaro jokes  (PESSOA, 2017).

Jewish youth movements have demanded a formal apology from the Hebraica President for having invited and received an authoritarian politician, which is praised by neo-Nazis (LEONARDO, s/d; MOURA, 2016).

The support of part of the Jewish community to right-wing extremists can be explained by the perception that the left joined the Palestinians against Israel, venting your anti-Semitism under the guise of anti-Zionism. For the same reason, the right-wing extremists now defend Israel and become “friends of the Jews”.

An example of the left’s approach to Islam was the participation of Councilman Eduardo Suplicy, of the Partido dos Trabalhadores (PT), in Islamic Meeting in Brazil, organized by the Islamic Center in São Paulo, on  July 2017. The theme of the event was “the combat against terrorism”, but one of the invited speakers was Ayatollah Mohsen Araki, of Iran, linked to Hezbollah and accused of involvement in the terrorist attack on the Asociación Mutual Israelita (AMIA) in Buenos Aires in 1994.

Este slideshow necessita de JavaScript.

The Evangelical churches cultivate good relations with Israel, where they make biblical pilgrimages. The Universal Church of the Kingdom of God did raise in Sao Paulo the enormous Temple of Solomon, inaugurated with pomp in 2014 and where the pastors teach their cults dressed as rabbis.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Bolsonaro visited Israel and declared himself in love for the Jewish people and Olavo de Carvalho defends Israel as “the last bastion of Western civilization against Islamic barbarism”. At the same time, they defend the Inquisition, attack minorities and claim that the dictatorship that tortured to death the Jewish journalist Vladimir Herzog in 1985 was a wonderful period in the Brazilian History, when all the people lived happy, in order and progress, and “only bandits and terrorists have died”.

The minority more stigmatized by Olavo and Bolsonaro are the feminists and the LGBT community, assimilated to Nazism  – they call them the feminazis and the gayzists. They require the submission of the minorities to the Christian majority, reject sexual education in schools and defend the beating of children with homosexual tendencies and the “cure” of homosexuals by Christian psychologists with special treatments that include religious conversion.

Hundreds of journalists and bloggers replicate the hate speeches of their leaders on social networks. Those elements define themselves as Liberals, libertarians, right-wing conservatives, monarchists, as well as anarcho-capitalists.

They have sadistic fantasies, manifesting openly a desire to humiliate, rape, oppress, and exterminate their opponents. Those who don’t love their leaders are hereticals and must sufer their attackes, called as “communists” and covered with the most obscene names.

Inspired by the economic liberalism of Ludwig von Mises, for whom “fascism and all other dictatorial similar … saved the European culture”, so “the merit acquired by that will remain forever in favour of fascism in History”, the new “liberals” hate “human rights” (MISES apud MARCUSE, 1976).

At the same time, they believe in a “Minimum State and Free Market against Big State and Totalitarianism”. For them the “far-right” does not exist, it’s a mere phantom created by the “leftist scum”.

The so called liberal/conservative/right-wing/monarchist/anarcho-capitalist comes from a middle class intellectually poor, frustrated and radicalized by the refusal of the left to represent their interests. They want the “criminalization of communism” through laws that only a strong State would be able to impose and enforce. At the same time they accuse everyone who opposes to their ideas of being “Communist”.

The mantra “Nazism is left” is repeated without ceasing. The fascism is criticized only as a “leftist” regime. Nazism seems to them a lesser evil, almost nothing compared to Communism.

The Minimum State is also relative. The military junta that ruled Brazil from 1964 to 1986 has created a Central Bank and a number of State-owned enterprises and atomic power plants. The State controlled press, culture, economy. So following the criterion the New Right define the left, the Brazilian military regime they glorify would be much more leftist than the Government of the Socialist Workers Party, they curse.

The term “Socialist” in the Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei (NSDAP) is other analogical argument used by them to define Nazism as “left”. The liberal revisionists do not hesitate to resort to State terror to impose their conservative moral view to society, justifying a military dictatorship by the need of nationalism.

For the revisionists all lies, smears and distortions are allowed in the fight against “Communism”. Leftistis intellectuals, feminists, socialists, gay activists are demonized. For them, Simone de Beauvoir was a Nazi paedophile who hated both men and women (PERRONE, 2017), while the Colonel Carlos Alberto Brihante Ustra, former head of DOI-CODI, a condemned torturer, is celebrated as a hero (WHITE SHARK NEWS, 2016).

They deny that Hitler started World War II and offer a new vision of the History, based on the thesis of the Austrian historian Ernst Topitsch in Stalins Krieg (1985). For Topitsch World War II was only one phase of the great Lenin’s strategy to subdue the capitalist Nations to Communism. The thesis ignores the Holocaust, minimizes the Nazi ideology and made from Hitler a Stalin’s puppet.

In German literature, for generations the Holocaust remained taboo in fiction. More recently, writers of the generation of grandchildren of the Nazis as Bernhard Schlink, with the best-seller novel Der Vorleser (The Reader, 1996), bring a sweetened vision of Germany’s past.

The questioning of this literature (and movies based on it) revolving around the reflections by Elie Wiesel, Claude Lanzmann and Saul Friedlander on the aesthetic and ethical limits of Holocaust representations. Franz Kafka had already done, however, a discovery that filled him with terror and ecstasy: “everything can be expressed,” he wrote in his diaries.

In the cinema, Steven Spielberg also realized that “everything can be shown”, but when he approached the Holocaust on Schindler’s List, he backed down from the gassing of Jews. To represent the Holocaust is an aesthetic and ethical option. However, placing “ethical and aesthetic limits” to the Holocaust expression can also be a political choice. An option that helps preserve the good conscience.

The critical theory reveals the anti-Semitism that insinuates itself in the speech and in the imagination of the revisionists, which are rewriting and depicting the History from the point of view of the executioners.

Referencies

APOIADORES de Bolsonaro fazem saudação nazista em Fortaleza. YouTube, 7 de jul de 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=jo1yBOjPVuU.

BOLSONARO, Jair. Entrevista para o Programa Câmera Aberta da Band RJ,  23 mai. 1999. YouTube. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=MkBJuABRey8.

BOLSONARO, Jair; PANNUNZIO Fábio. Jair Bolsonaro e Hebraica São Paulo explicam a polêmica. YouTube, 5 mar. 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=QlRF6NTvIis.

CARVALHO, Olavo de. Mentira protestante sobre a inquisição e venda de indulgências. Disponível em: YouTube, 9 de jun. de 2016, https://www.youtube.com/watch?v=aplcIFzGep0.

CARVALHO, Olavo de. O mito da Inquisição e da criação da Igreja por Constantino. YouTube, 8 mai. 2015. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=jGcC8_MCDYk.

LEONARDO C. Ato de neonazistas em apoio a Jair Bolsonaro. YouTube, 12 jan. 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=UX8LUSfB73M.

MARCUSE, Herbert. “La lucha del liberalismo en la concepción totalitária del Estado”, in BAUER, Otto; MARCUSE, Herbert; ROSENBERG, Arthur. Fascismo e capitalismo. Teorías sobre los origenes sociales y la función del fascismo. Barcelona: Ediciones Martínez Roca, S. A., 1976, pp.43-79.

MBL. Líder judeu rebate Boechat e manda a real sobre o que é nazismo. YouTube.  Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=9iJJ3Ts0gMc.

MOURA, Jefferson. Não é tolerável a candidatura de um nazista! YouTube, 13 de set de 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=jo1yBOjPVuU.

MOURA, Nando. INQUISIÇÃO – Católicos MALDITOS!!! YouTube, 6 ago. 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=hSOFtf9lLZU.

NOUGUÉ, Carlos. A lenda negra sobre a Inquisição. YouTube, 4 de nov. de 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=KpQl1t3RuG4.

O FASCISTA Jair Bolsonaro manifesta admiração por Hitler. YouTube, 15 de nov de 2015. Disponível em:  https://www.youtube.com/watch?v=ZBo-Vh5YARU.

PERRONE, Michele Filho. “Qual a ligação entre: Socialismo (Sartre), Feminismo (Beauvoir), Nazismo e Idiotas Úteis?”, Blog O Perrone, 3 mar. 2017. Disponível em: https://operrone.wordpress.com/2017/01/03/qual-a-ligacao-entre-socialismo-sartre-feminismo-beauvoir-nazismo-e-idiotas-uteis/.

PESSOA, Daniela. Deputado Jair Bolsonaro fala sobre polêmica com judeus. Revista Veja, 10 mar. 2017. Disponível em: https://vejario.abril.com.br/blog/beira-mar/deputado-jair-bolsonaro-fala-sobre-polemica-com-judeus.

WHITE SHARK NEWS. Voto do Bolsonaro no Impeachment: “Viva o General Brilhante Ustra”. Clipe da Rede Globo. YouTube, 19 abr. 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=k4MaPjUOZ10.

separador-de-texto-small

(2) REVISIONISMO E FORTALECIMENTO DA EXTREMA-DIREITA BRASILEIRA

Atualmente, nos meios eletrônicos e audiovisuais, multiplicam-se os ideólogos que promovem uma revisão destrutiva da História por meio de fraudes, manipulações e teorias conspiratórias, sobrepondo aos fatos históricos suas visões deformadas do passado.

Em sua subversão da História, o revisionismo concentra-se em temas-chaves, como a Inquisição, a Escravidão, o Nazismo e o Holocausto. Sobre a Inquisição, blogueiros revisionistas da autoproclamada “nova direita”, que ostentam com orgulho seu “conservadorismo”, a despeito de sua linguagem pornográfica e fascista, fazem as seguintes afirmações:

A Inquisição foi um passo enorme na luta dos Direitos Humanos… Antes da Inquisição tinha muito mais gente condenada sem investigação. (CARVALHO, 2015)

A Inquisição só se dedicava a salvar almas. Ninguém morreu torturado pela Inquisição. (NOUGUÉ, 2016)

Os instrumentos de tortura da Inquisição são todos inventados, todos inventados. Todos os historiadores profissionais do mundo sabem disso. (CARVALHO, 2016).

A Inquisição foi criada para tentar defender o cidadão comum dos linchamentos.(MOURA, 2017).

Uma técnica de propaganda é a criação de slogans chocantes. Através desses slogans os blogueiros revisionistas levantam grandes discussões nas redes sociais, aumentando o número de views e de likes de suas páginas, obtendo “monetização”, isto é, pagamentos do YouTube, com o que sustentam seus canais.

Alguns desses slogans são: “Hitler era socialista”; “Nazismo é de esquerda”, “O Holocausto nunca existiu”; “A Terra é plana”; “O homem jamais pisou na Lua”; “Nunca houve ditadura no Brasil”.

Por sua natureza chocante, os slogans revisionistas que prosperam no ciberespaço criam um universo paralelo, feito de impressões alucinantes, uma ficção que substitui a realidade, aparentemente “divertindo” uma juventude que ignora a História, mas que se vê progressivamente presa da alienação jocosa, tornando-se logo incapaz de distinguir a verdade da mentira.

No Brasil, seguindo uma tendência mundial, a esquerda entrou em declínio e a direita encontra-se em ascensão. O impeachment da Presidente Dilma Roussef foi interpretado como “golpe de Estado” pela esquerda inconformada com a perda do poder, numa cega negação de seus crimes e da força dos protestos populares que levaram milhões de pessoas às ruas.

O fracasso da esquerda no poder e sua incapacidade de se renovar foi ampliado pelas investigações de corrupção dos juízes do Ministério Público, o movimento Lava Jato inspirado no movimento italiano Mani Pulite (Mãos Limpas), que derrubou os partidos políticos tradicionais e permitiu indiretamente ao megaempresário Berlusconi, o mais corrupto dos corruptos, ascender ao poder.

O descrédito lançado à classe política impulsionou os movimentos ditos “conservadores”, representados por pastores evangélicos engajados em campanhas de moralização da sociedade, liderados ideologicamente pela figura mabusiana do ideólogo Olavo de Carvalho, e politicamente pelo ex-capitão do Exército, pré-candidato à Presidência, deputado Jair Messias Bolsonaro.

No Brasil, evangélicos fanáticos e intolerantes destoem imagens de santos e vandalizam igrejas católicas e terrenos de umbanda e candomblé – a religião dos negros oriundos da África durante a colonização. Os pastores evangélicos há muito se infiltraram na política para controlar a sociedade através de uma legislação que os favoreça.

A chamada “Bancada Evangélica” conta hoje com 88 deputados, exercendo enorme influência política e vetando toda medida que contrarie seus dogmas. Recentemente, a Igreja Universal do Reino de Deus, do bispo Edir Macedo, criou um exército de pastores uniformizados chamados de Gladiadores do Altar.

O Ministério Público investiga se exista alguma ligação entre esse grupo e os casos de destruição de centros de umbanda e candomblé e de igrejas católicas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O mentor intelectual da extrema-direita é o escritor Olavo de Carvalho. Com cinco mil alunos na Internet que o defendem fanaticamente como seguidores de uma seita, Olavo de Carvalho foi astrólogo, islamita, militante do Partido Comunista, e hoje se apresenta como cristão fundamentalista, bastião do anticomunismo.

O autoproclamado “filósofo” é um partidário da teoria da conspiração Grupo Bilderberg – Nova Ordem Mundial  – Iluminati, na qual o mundo é dominado por uma elite “globalista e multiculturalista”, sustentada por “metacapitalistas” como George Soros, supostamente a serviço do comunismo… Seu debate com Alexandr Dugin foi publicado na Romênia.

O líder político da extrema-direita é Jair Bolsonaro, que participou da caça aos guerrilheiros comunistas durante o regime militar. Ele defende a ditadura, a tortura, o Esquadrão da Morte (grupos de policiais que se encarregam de exterminar criminosos), a militarização das escolas públicas e o uso legal de armas pelos “cidadãos de bem”, para sua autodefesa diante da impotência do Estado em garantir a segurança pública.

No começo de sua carreira política declarou que, no poder, fecharia imediatamente o Congresso e mataria 30 mil “bandidos”, incluindo o então Presidente Fernando Henrique Cardoso (BOLSONARO, 1999). Mais recentemente declarou que Hitler era um criminoso, mas grande estrategista (O FASCISTA, 2015). Pré-candidato à Presidência do Brasil, Bolsonaro tem boa chance de eleger-se em meio à profunda crise econômica, política e moral em que o país mergulhou.

Stephen Fry entrevista Bolsonaro:

Ellen Page entrevista Bolsonaro:

Populares entre jovens de direita e de extrema-direita, Olavo de Carvalho e Jair Bolsonaro conquistaram também uma parte da comunidade judaica, como o ex-presidente da Federação Israelita do Rio de Janeiro, Ronaldo Gomlevsky, que adotou a linguagem pornográfica de seus ídolos na onda atual de condenação da “arte degenerada” supostamente promovida pela “esquerda pedófila”, pela “ideologia de gênero” e pelo “marxismo cultural” (MBL, s/d).

Em março de 2017, o presidente da seção carioca do clube A Hebraica, Luiz Mairovitch, convidou Bolsonaro para uma palestra. Em seu show de grosserias, o político comparou os quilombolas a animais confinados: “o mais magro deles pesava umas sete arrobas, não serviriam mais nem para procriar”.

Ao comentar sua viagem a Israel, gabou-se de ter tido quatro filhos homens, na verdade tinha cinco filhos, mas na quinta “dei uma fraquejada e nasceu uma menina”. Ele acrescentou que ela tem apenas seis anos, e “não precisei de nenhum aditivo”. A plateia aplaudia Bolsonaro e ria de suas piadas vulgares (PESSOA, 2017).

O apoio de parte da comunidade judaica aos extremistas de direita pode ser explicado pela percepção de que a esquerda se aliou aos palestinos e se voltou contra Israel, extravasando seu antissemitismo sob o disfarce do antissionismo político. Pela mesma razão, os extremistas de direita passaram a defender Israel e a condenar o Islã, afirmando-se “amigos dos judeus”.

Os movimentos judaicos juvenis exigiram um pedido de desculpa formal do presidente da Hebraica por ter convidado e recebido um político autoritário, que é aclamado por neonazistas (LEONARDO, s/d; MOURA, 2016).

Um exemplo da aproximação da esquerda ao Islã foi a participação do vereador Eduardo Suplicy, do Partido dos Trabalhadores (PT), no Encontro Islâmico no Brasil, organizado pelo Centro Islâmico no Brasil, em São Paulo, no dia 29 de julho de 2017. O tema do evento era “o enfrentamento do terrorismo”, mas um dos palestrantes convidados foi o aiatolá Mohsen Araki, do Irã, ligado ao Hezbollah e acusado de envolvimento no atentado terrorista à Associação Mutual Israelita (AMIA), em Buenos Aires, em 1994.

Este slideshow necessita de JavaScript.

As Igrejas Evangélicas cultivam boas relações com Israel, onde fazem peregrinações bíblicas. A Igreja Universal do Reino de Deus fez erguer em São Paulo o enorme Templo de Salomão, inaugurado com pompa em 2014 e onde os pastores ministram seus cultos vestidos como rabinos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Bolsonaro visitou Israel e declarou-se “apaixonado pelo povo judeu” (BOLSONARO, 2017) e Olavo de Carvalho defende Israel como “o último bastião da civilização ocidental contra a barbárie islâmica”. Ao mesmo tempo, eles defendem as Cruzadas e a Inquisição, atacam as minorias e afirmam que a ditadura que torturou até a morte o jornalista judeu Vladimir Herzog, então diretor da TV Cultura, foi um período maravilhoso da História do Brasil, quando todos viviam felizes, em ordem e progresso, e “só morriam bandidos e terroristas”.

A minoria mais estigmatizada por Olavo e Bolsonaro é a comunidade LGBT, que eles assimilam à ditadura e ao nazismo, exigindo que essa minoria se submeta à maioria cristã. Inimigos do que chamam de “ideologia de gênero imposta pelo marxismo cultural”, rejeitam a educação sexual nas escolas e defendem surrar as crianças com tendências homossexuais e submetê-las a psicólogos cristãos que pretendem “curá-las” com tratamentos especiais que incluem a conversão religiosa.

Dezenas de jornalistas e blogueiros replicam ao infinito os discursos de ódio de seus líderes nas redes sociais. Esses elementos, que se definem ora como liberais, ora como libertários, ora como conservadores, ora como direitistas, ora como monarquistas, ora como anarcocapitalistas, beiram a esquizofrenia com suas pautas negativas.

O discurso raivoso e as fantasias sádico-anais manifestam abertamente o desejo de humilhar, oprimir, estuprar e exterminar os adversários. Aqueles hereges que não adoram Olavo de Carvalho e Jair Bolsonaro são atacados como “comunistas” e achincalhados com os palavrões mais obscenos.

Inspirados no liberalismo econômico de Ludwig von Mises, para quem “o fascismo e todas as demais orientações ditatoriais parecidas… na conjuntura salvaram a cultura europeia”, pelo que “o mérito adquirido por isso permanecerá para sempre a favor do fascismo na História” (MISES apud MARCUSE, 1976, em tradução do autor), os novos “liberais” odeiam os “Direitos Humanos”.

Ao mesmo tempo, eles se revoltam quando chamados de fascistas, pois a direita que acreditam representar: “é Estado Mínimo e Liberalismo, enquanto esquerda é Estado Grande e Totalitarismo”, inexistindo para eles a “extrema-direita”, um fantasma criado pela “canalha esquerdista”.

O dito liberal/conservador/direitista/monarquista/anarcocapitalista é oriundo de uma classe média intelectualmente pobre, frustrada e radicalizada pela recusa da esquerda em representar seus interesses. Defende a “criminalização do comunismo” por meio de leis que somente um Estado forte seria capaz de impor e cumprir.

Acusa ao mesmo tempo todo aquele que se oponha às suas ideias de ser “comunista”. Deslocam assim tanto o centro quanto a extrema-direita do espectro político para a esquerda, ampliando o lugar da direita à extrema-direita, ocupada por eles sem vergonha, extremando suas posições sem se assumirem como fascistas.

O mantra “nazismo é de esquerda” é repetido sem cessar para que o anticomunismo não seja assimilado ao fascismo. Os fascistas são criticados apenas indiretamente, como a “esquerda”, que eles combatem, mas se aliariam facilmente a essa “esquerda” contra o “avanço do comunismo”. Odeiam tanto o comunismo que o nazismo lhes parece um mal menor ou sequer um mal.

O Estado Mínimo dos liberais também é relativo. A junta militar que governou o Brasil sob a presidência rotativa dos generais Castelo Branco, Costa e Silva, Garrastazu Medici, Ernesto Geisel e Figueiredo criou o Banco Central e uma série de empresas estatais (Embrafilme, Embratur, Embratel, Telebrás, etc.), usinas elétricas e atômicas (Itaipu, Tucuruí, Ilha Solteira, Angra I, Angra II) e obras faraônicas (Ponte Rio-Niterói, Transamazônica). O Estado controlava a imprensa, a cultura, a economia.

Seguindo o critério estatista com que os conservadores definem a esquerda, o regime militar brasileiro que eles glorificam seria mais socialista que o governo do Partido dos Trabalhadores, que eles amaldiçoam.

O termo “socialista” no nome do Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei (NSDAP) – o Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães – é um dos argumentos usados para definir o nazismo como “esquerda”. Mas o liberal econômico não hesita em recorrer ao terror do Estado para impor sua moral conservadora à sociedade, justificando o estatismo da ditadura militar pela necessidade de nacionalismo.

Os revisionistas distorcem os fatos históricos para que se encaixem em seus conceitos. Todas as mentiras e difamações são permitidas na luta contra o “comunismo”: Simone de Beauvoir é acusada de ter sido uma nazista pedófila que odiava homens e mulheres (PERRONE, 2017) enquanto o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-chefe do DOI-CODI e torturador condenado, é celebrado como herói (WHITE SHARK NEWS, 2016).

Eles contestam que Hitler tenha iniciado a Segunda Guerra e oferecem uma nova visão da História, com base na tese do historiador austríaco Ernst Topitsch (Universidade de Graz) em Stalins Krieg (1985), segundo a qual Stalin firmou o Pacto com Hitler em 1939 para “incentivá-lo a invadir a URSS”, assim como Franklin Roosevelt manobrou o Japão para que atacasse Pear Harbor.

Para Topitsch a Segunda Guerra foi apenas uma fase da grande estratégia de Lênin para subjugar as nações capitalistas ou ‘imperialistas’ ao comunismo. A tese ignora o Holocausto, minimiza a ideologia nazista e reduz Hitler a um fantoche de Stalin.

Na literatura alemã, por gerações o Holocausto permaneceu tabu na ficção. Mais recentemente, escritores da geração de netos de nazistas trazem uma visão edulcorada do passado da Alemanha. Um exemplo é Bernhard Schlink, com o best-seller Der Vorleser (O leitor, 1996).

Os questionamentos dessa literatura e do cinema que nela se baseia giram em torno das famosas reflexões sobre os limites estéticos e éticos de representação do Holocausto. O jovem Franz Kafka já havia feito, porém, uma descoberta que o encheu de terror e êxtase: “Tudo pode ser expresso”, escreveu em seus Diários.

No cinema, Steven Spielberg também percebeu que “tudo pode ser mostrado”, mas ao abordar o Holocausto em Schindler’s List, ele recuou diante da representação do gaseamento dos judeus. Representar ou não o Holocausto é uma opção estética e ética do artista.

Contudo, colocar “limites éticos e estéticos” à expressão do Holocausto também pode ser uma opção política. Uma opção que ajuda a preservar a boa consciência. Cabe à teoria crítica revelar o antissemitismo que se insinua no discurso e no imaginário dos revisionistas, que reescrevem e retratam a História do ponto de vista dos carrascos.

Referências

APOIADORES de Bolsonaro fazem saudação nazista em Fortaleza. YouTube, 7 de jul de 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=jo1yBOjPVuU.

BOLSONARO, Jair. Entrevista para o Programa Câmera Aberta da Band RJ,  23 mai. 1999. YouTube. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=MkBJuABRey8.

BOLSONARO, Jair; PANNUNZIO Fábio. Jair Bolsonaro e Hebraica São Paulo explicam a polêmica. YouTube, 5 mar. 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=QlRF6NTvIis.

CARVALHO, Olavo de. Mentira protestante sobre a inquisição e venda de indulgências. Disponível em: YouTube, 9 de jun. de 2016, https://www.youtube.com/watch?v=aplcIFzGep0.

CARVALHO, Olavo de. O mito da Inquisição e da criação da Igreja por Constantino. YouTube, 8 mai. 2015. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=jGcC8_MCDYk.

LEONARDO C. Ato de neonazistas em apoio a Jair Bolsonaro. YouTube, 12 jan. 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=UX8LUSfB73M.

MARCUSE, Herbert. “La lucha del liberalismo en la concepción totalitária del Estado”, in BAUER, Otto; MARCUSE, Herbert; ROSENBERG, Arthur. Fascismo e capitalismo. Teorías sobre los origenes sociales y la función del fascismo. Barcelona: Ediciones Martínez Roca, S. A., 1976, pp.43-79.

MBL. Líder judeu rebate Boechat e manda a real sobre o que é nazismo. YouTube, s/d.  Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=9iJJ3Ts0gMc.

MOURA, Jefferson. Não é tolerável a candidatura de um nazista! YouTube, 13 de set de 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=jo1yBOjPVuU.

MOURA, Nando. INQUISIÇÃO – Católicos MALDITOS!!! YouTube, 6 ago. 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=hSOFtf9lLZU.

NOUGUÉ, Carlos. A lenda negra sobre a Inquisição. YouTube, 4 de nov. de 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=KpQl1t3RuG4.

O FASCISTA Jair Bolsonaro manifesta admiração por Hitler. YouTube, 15 de nov de 2015. Disponível em:  https://www.youtube.com/watch?v=ZBo-Vh5YARU.

PERRONE, Michele Filho. “Qual a ligação entre: Socialismo (Sartre), Feminismo (Beauvoir), Nazismo e Idiotas Úteis?”, Blog O Perrone, 3 mar. 2017. Disponível em: https://operrone.wordpress.com/2017/01/03/qual-a-ligacao-entre-socialismo-sartre-feminismo-beauvoir-nazismo-e-idiotas-uteis/.

PESSOA, Daniela. Deputado Jair Bolsonaro fala sobre polêmica com judeus. Revista Veja, 10 mar. 2017. Disponível em: https://vejario.abril.com.br/blog/beira-mar/deputado-jair-bolsonaro-fala-sobre-polemica-com-judeus.

WHITE SHARK NEWS. Voto do Bolsonaro no Impeachment: “Viva o General Brilhante Ustra”. Clipe da Rede Globo. YouTube, 19 abr. 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=k4MaPjUOZ10.

separador-de-texto-small

(3) PROGRAMA DO SEMINÁRIO

13th International Biennial Seminar: World Political and Social Changes and their Impact on Jewish communities. The Kantor Center and the Audiatur Foundation Seminar on Antisemitism.

Zürich, October 22-24, 2017.

Acomodações: Hotel Ibis Zurich City West, Schiffbaustrasse 11, 8005 Zürich.

22 October

Opening Evening Event

Israelitische Cultusgemeinde Zurich, ICZ (Jewish Community Center), Lavaterstrasse 33, 8002 Zurich Jewish Center.

17:00

Greetings

Dina Porat  – Chairperson.

Josef Bollag – Founder and Foundation Board Member of Audiatur Stiftung.

Herbert Winter – President of the Swiss Federation of Jewish Communities.

Aviva Raz Shechter – Ambassador. Permanent Representative of Israel to The UN & and International Organization, Geneva.

18:00

Keynote Address

Monika Schwarz-Friesel: The Emotional Dimension of Antisemitism.

19:00-20:30

Reception.

23 October

9:00-11:00

Antisemitism, Anti-Zionism in the Extreme Left and Right (1)

Alexander Rasumny – Chairperson and Respondent.

Dave Rich: Antisemitism in the Radical Left and the British Labour Party.

Joël Kotek: Anti-Zionism as the Belgian Civic Religion from Radical Left to Radical Right.

Hanna Luden: Challenges Regarding Antisemitism in the Netherlands.

11:00-11:30

Coffee break.

11:30-13:30

Antisemitism, Anti-Zionism in the Extreme Left and Right (2)

Dr. Rafi Vago – Chairperson and Respondent.

Karl Pfeifer: Contemporary Antisemitism in Hungarian Ruling Party and the Extreme Right.

Natalia Sineaeva-Pankowska: Some Aspects of Contemporary Nationalist Narrative of the Polish Far Right.

Zbyněk Tarant: Contemporary Antisemitism in the Czech Republic – New Trends of an Ancient Hatred.

13:30-14:30

Lunch.

14:30-16:30

Contemporary Antisemitism in Eastern Europe.

Dr. Benjamin Albalas – Chairperson.

Yuri Teper: Left and Right Movements in Contemporary Russia, Antisemitism and the Jewish Question.

Irena Cantorovich: Jews in Ukraine After the “Revolution of Dignity” – Friends or Foes?

Anhelita Kamenska: Monitoring Antisemitic Content in Latvian Social Networks.

16:30

Social event in Meggen, Luzern, hosted by Dr. Joseph Bollag (transportation provided).  

24 October

9:00-11:00

Various Perspectives of Contemporary Antisemitism in Europe.

Dr. Mikael Shainkman – Chairperson and Respondent.

Carina Klammer: Antisemitism in Austria – Current Trends and Challenges.

Simon Erlanger: Second Class Citizens after All? How Switzerland Fails to Provide Security for Its Jewish Community.

Olga Deutsch: Civil Society and antisemitism – Is it a matter of right or left?

11:00-11:30

Coffee break.

11:30-13:30

Religions – Sources of Hatred or Bridges of Hope?

Lidia Lerner – Chairperson and Respondent.

Shimon Samuels: Assault on the Judeo-Christian Heritage and the De-legitimization of Israel.

Jeremy Jones: Jews, Christians, Muslims and Antisemitism today.

Sammy Eppel: The first Latin American Global Forum to Combat Antisemitism and the Impact of Evangelicals in this Ongoing Struggle.

Ekkehard Stegemann – The Return of Christian Anti-Judaism under the Pretext of Criticism of Israel.

13:30-14:30

Lunch.

14:30-16:30

Images of Jews and of Judaism.

Metin Delevi – Chairperson and Respondent.

Esti Webman: The ‘Jew’ as a Metaphor for Evil in Arab Public Discourse.

Luiz Nazario: Revisionism and the Strengthening of Brazilian Extreme Right.

Michal Navoth: The Refugee Crisis in Greece, the European response, and their Effect on Antisemitism.

16:30-17:00

Coffee break.

17:00-19:00

Confronting Antisemitism through Legislation and Lobbyism.

Haim Fireberg – Chairperson and Respondent.

Talia Naamat: Are the New Forms of Antisemitism Recognized in European Countries’ Legal Systems?

David Matas: Mobilizing internet providers to combat anti-Semitism.

Mike Whine: Confronting Hate Crimes and Hate Speech on the Ground.

19:00-19:30

Dina Porat – Chairperson.

Kenneth Marcus: Defining, Detecting, and Dissolving Hostile Environments.

19:30

Conclusion: Dina Porat and Rafi Vago.

Anúncios

NOVAMENTE CENSURADO NO FACEBOOK

11 nov

Minha página no Facebook foi novamente bloqueada por uma semana devido a uma denúncia da comunidade do Facebook, ou seja, de alguém que me solicitou Amizade e se qualificou como Amigo com a intenção de demonstrar sua intolerância à primeira postagem inadequada ao seu elevado padrão moral que eu fizesse. A imagem de nudez que levou à denúncia não apareceu, desta vez, no aviso de bloqueio:

1.png

Contudo, a única imagem de nudez que postei recentemente, e que acredito que tenha levado o Amigo a uma denúncia anônima ao Facebook foi o GIF de um dos experimentos realizados no fim do século XIX pelo pioneiro do cinema Eadweard Muybridge (1830-1904), para o estudo do movimento do corpo humano, e no qual um homem faz exercícios nu, como neste GIF da Wikimedia:

animal_locomotion-_plate_294_28boston_public_library29_a

GIF: Animal locomotion. Plate 294 (Boston Public Library). Fonte: Wikimedia / Domínio Público / Public Domain.

O Facebook anuncia no bloqueio que restringiu a exposição de nudez, e que mesmo descrições de atos sexuais podem ser removidas. Essas restrições são afrouxadas, contudo, de maneira bizarra, quando a publicação do conteúdo se der por motivos educativos, humorísticos ou satíricos. E se tornam caso de polícia se a postagem envolver exploração ou violência sexual:

2.png

No caso do GIF de Muybridge, mesmo as bizarras exceções citadas, os tão subjetivos motivos educativos, humorísticos ou satíricos, foram sobejamente ignorados: divulgar a história do cinema não seria um motivo educativo, e a dimensão  humorística ou satírica naturalmente presente nas imagens do passado não mereceu consideração. Mas para garantir um ambiente seguro aos seus usuários, o setor de bloqueio do Facebook inclui uma espécie de confessionário, no qual o réu é convidado a limpar suas sujeiras:

3.png

Após essa etapa dolorosa de confissão, arrependimento e remoção das postagens infames, o réu recebe, finalmente, a pena para os seus pecados, acrescentada de novas ameças de punição, caso ele persista em cometer novos pecados:

4.png

Além de não poder publicar nada em sua página ou em páginas alheias, o bloqueado não pode avisar seus amigos verdadeiros por mensagem pessoal de que se encontra bloqueado, não pode sequer curtir uma página ou uma postagem. Ele só pode acompanhar em silêncio, sem poder interagir, as postagens alheias, como um excluído da comunidade, sem direito a voz, como uma anti-pessoa. Se ele, inadvertidamente, curte alguma coisa que leu, recebe a seguinte mensagem:

1.png

Enfim, nada como impor uma regra para seus usuários, criar ao mesmo tempo exceções à mesma, interpretando a seu modo tanto a regra quanto as exceções, para punir quem bem entender, sem qualquer transparência, com base apenas em denúncias anônimas. O processo de bloqueio do Facebook lembra os processos da Santa Inquisição.

Quando eu retornar ao Facebook, excluirei os Amigos que não conheço, começando por aqueles que solicitaram Amizade nos últimos meses. E incluirei no expurgo os Amigos que nunca se manifestaram, permanecendo em situação de ocultamento, ou que já demonstraram possuir um padrão moral demasiado elevado para minhas postagens obscenas sobre a história da arte e do cinema.

JOHN WILLIAMSON

5 nov

John Williamson - Vinte anos debaixo do mar. Memórias de um realizador cinematográfico.  Porto - Livraria Tavares Martins, 1942..jpg

Acabo de ler um livro maravilhoso: Vinte anos debaixo do mar (Memórias de um realizador cinematográfico), de John Williamson, publicado nos EUA em 1937, e traduzido para o português em 1942, por Campos Monteiro Filho, na edição da Livraria Tavares Martins, do Porto.

Filho de um inventor de origem escocesa, que fazia salvamento de trabalhadores em plataformas marítimas com um equipamento submarino de sua invenção, o jovem Williamson, após estudar Engenharia e Artes, decidiu, em seu primeiro emprego, em Norfolk, trabalhando como jornalista no The Virginian-Pilot, publicar algo de novo.

Pediu emprestado ao pai o equipamento de salvamento e fez nele uma adaptação para incluir uma câmera fotográfica, chamando seu invento de fotoesfera. Publicadas no The Pilot de Norfolk, as primeiras fotos do fundo do mar fizeram tanto sucesso que Williamson ficou mundialmente famoso da noite para o dia.

John Williamson - Vinte anos debaixo do mar. Fotoesfera para filmar 'Vinte mil léguas submarinas' (1916)..jpg

O inventor da fotografia submarina foi logo convidado a trabalhar em Hollywood. Facilmente adaptou à sua fotoesfera uma câmera cinematográfica e se encarregou das filmagens de Vinte mil léguas submarinas (1916), primeira adaptação do clássico de Jules Verne e o primeiro filme a usar a técnica da fotografia submarina.

Realizado em locações nas Bahamas, o filme fez enorme sucesso. Mais tarde, ainda no cinema mudo, Williamson também trabalhou numa pioneira produção submarina em cores, A ilha misteriosa, também de Verne, uma continuação de Vinte mil léguas submarinas. O filme conseguiu captar o maravilhoso colorido do fundo do mar.

Contudo, apesar de suas espantosas tomadas em tecnicolor, A ilha misteriosa não obteve o mesmo sucesso de Vinte mil léguas submarinas. Foi relegado a segundo plano nas bilheterias – e ao esquecimento da crítica – por ter sido lançado no mesmo ano que The Jazz Singer (O cantor de jazz, 1927): o público só queria agora saber de filmes falados…

Williamson descreve em seu livro o imenso trabalho que teve para obter seu acervo de imagens submarinas, os golpes de azar e de sorte que envolveram as duas produções, únicas em sua época. Enfrentou polvos, tubarões, tufões, perigos e situações inusitadas: sua narrativa é carregada de suspense. Mas a paixão pelo trabalho e a disposição em fazer tudo com perfeição superaram os desafios técnicos e as ciladas do destino.

O realizador também desenvolveu e patenteou um pioneiro mecanismo de efeitos especiais para dar vida ao polvo gigante de Vinte mil léguas submarinas, feito de tubos e molas, que os críticos e o público da época tomaram como verdadeiro, acreditando piamente que o pescador se debatia com um polvo gigante real até ser salvo por Nemo…

John Williamson - Vinte anos debaixo do mar. Trad. Campos Monteiro Filho..jpg

A última grande missão submarina de Williamson foi de caráter científico, encomendada pelo Field Museum of Natural History (Museu Field de História Natural), de Chicago: a coleta de “Material para sete grupos de peixes das Bahamas, no seu habitat, com corais e demais acessórios”, para o acervo da instituição.

O novo desafio é descrito com riqueza de detalhes e Williamson obtém aqui um novo  sucesso, conseguindo coletar com técnicas próprias, incluindo pequenas cargas de dinamite, até o embarque para Chicago, uma árvore inteira de corais, com seus galhos intactos, além de enorme variedade de peixes, embalsamados e vivos.

John Williamson - Vinte anos debaixo do mar. Coleta de 7 famílias de peixes e corais para o Field Museum..jpg

 

APOCALIPSE RACIAL

25 ago

 

war-for-the-planet-of-the-apes.jpg

Rise of the Planet of the Apes (Planeta dos Macacos: a origem, 2011), de Rupert Wyatt, fez 482 milhões de dólares nas bilheterias; Dawn of the Planet of the Apes (Planeta dos Macacos: o confronto, 2014), de Matt Reeves, lucrou 710 milhões de dólares nos cinemas – somando a isso uns 250 milhões de dólares de produtos relacionados, os dois filmes lucraram mais de 1,5 bilhão de dólares; já War for the Planet of the Apes (O Planeta dos Macacos: a guerra, 2017), de Matt Reeves, arrecadou sozinho três bilhões de dólares em bilheteria e produtos relacionados, superando todos os filmes e todas as séries da História do cinema até hoje. Com base nessa soma, Mark Hughes, da Forbes, considerou  War for the Planet of the Apes o melhor filme do ano.

Trata-se, antes, do pior filme do ano. O cartaz já o anuncia: “Pela Liberdade. Pela Família. Pelo Planeta.” Esqueçam a Liberdade e o Planeta. É a Família o tema do filme. Família é a chave de tudo, a panaceia universal. Todo seriado americano, do mais recatado ao mais escandaloso, gira em torno da Família, e Rise of the Planet of the Apes vende essa droga em doses cavalares, ou “símias”: todos os personagens vivem a perda de sua família.

War-for-the-Planet-of-the-Apes-poster-3.jpg

O maior impacto de Planet of the Apes (O Planeta dos Macacos, 1968), de Franklin J. Schaffner, concentrava-se na imagem-choque final: a revelação de que o Planeta dos Macacos era, na verdade, resultado de mutações radioativas sofridas pelos habitantes dos Estados Unidos da América, com a Estátua da Liberdade afundada na areia.

Cw0dKd_XAAASB3N.jpg

A fantasia apocalíptica gerou as sequências Beneath the Planet of the Apes (De volta ao Planeta dos Macacos, 1970), de Ted Post; Escape from the Planet of the Apes (Fuga do Planeta dos Macacos, 1971), de Don Taylor; Conquest of the Planet of the Apes (A Conquista do Planeta dos Macacos, 1972) e Battle for the Planet of the Apes (A Batalha do Planeta dos Macacos, 1973), de J. Lee Thompson; os seriados de TV Planet of the Apes (Planeta dos Macacos, 1974) e Return to the Planet of the Apes (1975); o telefilme Behind the Planet of the Apes (1998); e uma infinidade de paródias e subprodutos.

A infeliz refilmagem Planet of the Apes (O Planeta dos Macacos, 2001), de Tim Burton, despertou novamente a serpente, gerando a série atual e seus subprodutos. A popular fantasia da ficção-científica dos macacos falantes sublima, critica e alimenta cada vez mais o racismo americano: os símios humanizados pelos efeitos especiais são uma metáfora acintosa para os negros. Mas as fantasias racistas da série são bem aceitas porque se afirmam “claramente” antirracistas.

No racismo antirracista da nova série, geralmente os macacos humanizam-se ao demonstrar sentimentos humanos e os humanos animalizam-se, ou tornam-se piores que os macacos, quando se mostram intolerantes aos elos de amor e de amizade entre as duas raças. Claro que a fantasia dos macacos humanizados vai além do racismo, implicando a própria suposta origem símia da humanidade, mas a convivência entre macacos e humanos evoca inevitavelmente os conflitos raciais, especialmente agudos na sociedade americana.

Na cena de abertura de Rise of the Planet of the Apes, para dirimir qualquer dúvida de que os macacos NÃO representam os negros, um soldado negro atira contra os macacos. O racismo é assim exorcizado de cara e a fantasia racista dos macacos falantes pode avançar sob a proteção do álibi dos negros inimigos dos macacos, sem o perigo das interpretações maldosas.

O fantasma da Guerra Civil Americana ronda os EUA desde o assassinato do jovem negro Rodney King em Atlanta, em 1992, quando massas de jovens negros se revoltaram contra o racismo da Polícia e saquearam selvagemente lojas e supermercados, num protesto político que não descartava a pura e simples ladroagem em causa própria.

photos.medleyphoto.5967004

A absolvição do segurança George Zimmerman no caso da morte a tiros do adolescente negro Trayvon Martin em 2013; a morte do jovem negro Michael Brown em Ferguson, e de Eric Garner em Nova York, em 2014, causaram mais protestos e distúrbios, tornando o movimento Black Live Matter (BLM) conhecido nacionalmente.

Desde então os militantes do BLM protestam regularmente contra a morte de negros em ações policiais ou sob a custódia da polícia. A morte de Freddie Gray levou a novos tumultos em Baltimore. O BLM  tornou-se uma das forças contra Donald Trump nas eleições de 2016. O total de protestos do BLM chegou ao número de 2.019 em 1.133 dias, segundo o monitoramento permanente do site Elephrame.

Uma das consequências do antirracismo do BLM é a justificação da criminalidade dos jovens negros como se estes não tivessem outra opção na sociedade racista, culpando a Polícia e os Brancos Racistas pela reação ao crime, como se a “sociedade branca” devesse pagar por seu racismo sendo assaltada e vandalizada impunemente.

War For The Planet Of The Apes reflete esses conflitos levando a solidariedade à luta antirracista dos jovens brancos liberais a um ponto tão radical que o filme resulta ser o mais politicamente correto da História do Cinema. O público é instado, com artimanhas chorosas do roteiro e da trilha sonora, a torcer pelos macacos.

Curiosamente, o macaco mais querido do público, o Bad Ape, incomodou o ativista DeRay Mckesson, do BLM, por usar uma jaqueta azul como a sua, sendo ridicularizado por Whoopi Goldberg, que o mandou ver o filme de 1968, onde os macacos já usavam jaquetas azuis.

A defesa do filme pela atriz negra oscarizada procede: a Hollywood de esquerda não quer ser vista como racista, ela exige mesmo uma identificação a qualquer preço com a luta dos negros. Uma luta que não é mais por direitos iguais, mas contra o racismo branco, o que abre um leque infinito de possibilidades.

No filme, o genial chimpanzé estrategista Ceasar (performado por Andy Serkis) lidera o povo dos macacos bons, após derrotar, em Dawn of the Planet of the Apes, o totalitário Koba (um dos codinomes de Stalin), que aglutinava ao seu redor os macacos mais cruéis, gorilas cujas ações evocavam ditadores africanos como Jean-Bédel Bokassa (República Centro-Africana); Idi Amim Dada (Uganda), Obiang Mbasogo (Guiné Equatorial), Yahya Jammeh (Gâmbia), Blaise Compaoré (Burkina Faso), Rei Mswati III (Suazilândia); etc.

Agora, Caesar é um líder popular negro vitorioso, como Mandela, e enfrenta o Coronel, novo líder totalitário, agora do gênero humano, um fascista que pretende, como Donald Trump, erguer um Muro bem alto para salvar a América da decadência produzida pelos macacos que infectam os humanos com o vírus símio, que produz uma estranha doença que os deixa mudos. Para construir o Muro, o Coronel (Woody Harrelson) utiliza a mão de obra dos chimpanzés, aprisionados e escravizados num campo de concentração.

Os chimpanzés são torturados por gorilas, antigos partidários de Koba, que se submetem passivamente, a despeito de sua força superior, ao degradante domínio dos mercenários, que os chamam de jumentos. Alegando medo da punição de Caesar (uma explicação pouco convincente dada por ele, já que não é dado a vinganças), os gorilas toleram o extermínio de seus “primos” pelas tropas fanatizadas do Coronel.

Aqui a fantasia da Guerra dos Macacos dialoga com a Guerra do Vietnã mediada por Hollywood. Os macacos são chamados pelos soldados de kongs, numa alusão tanto ao gorila gigante da série King Kong quanto aos vietkongs que as tropas americanas combatiam na selva em meio ao pesadelo de uma guerra insana, destinada ao fracasso.

O próprio personagem do Coronel é decalcado do Coronel Kurtz de Apocalypse Now: ensandecido depois de matar o próprio filho que contraiu o vírus símio, ele arregimenta um exército ilegal de fanáticos, que compartilham de sua visão de mundo malsã, para escravizar os macacos e obrigá-los a construir o Muro.

As tropas ilegais do Coronel, combatidas pelo Exército, dialogam, por sua vez, com os grupos da extrema-direita americana, como as Milícias de Michigan, a Ku-Klux-Klan e os militantes da All-right, que cultuam armas, bandeiras confederadas, heróis escravocratas da Guerra Civil, símbolos e slogans nazistas.

Embora a fantasia racista reivindique para si o politicamente correto, especialmente após o incidente de Charlottesville, ela permanece racista em sua essência. Essa contradição é levada ao extremo na cena em que Caesar e seus companheiros, em missão de caça ao Coronel (que inclui um descarado merchandising da Coca-cola), matam em legítima defesa um homem isolado numa casa abandonada. Logo descobrem a filha dele escondida dentro da casa: uma loirinha muda de olhos azuis (Amiah Miller). Ela não lamenta nem um pouco a morte do pai, permanecendo indiferente junto ao seu cadáver.

Contudo, levada pelos macacos bons, a menina reage à morte de um deles chorando muito e devolvendo ao cadáver do gorila a flor que recebera dele de presente. Afirma-se aí a profunda e irracional solidariedade da jovem geração de brancos de esquerda à luta dos negros. Não por acaso, a menina muda, loucamente identificada com seus amigos macacos, ganha de brinquedo um pedaço de metal com a marca Chevy Nova da Chevrolet, sendo batizada, num product placement nostálgico, de Nova.

No final, Caesar liberta seus irmãos escravizados, que fogem do campo de concentração, ao mesmo tempo em que o exército americano liquida a tropa racista do Coronel. Quando Caesar vai matá-lo, contra sua bondade, assolado pelo desejo de vingança, é poupado disso, pois o Coronel contraiu o vírus símio e perdeu a voz: vitimado pelo que condenava em outras vítimas, ele se condena e pune, puxando o gatilho.

Para coroar a saga de Caesar e seu movimento popular de libertação, quando o exército americano, após liquidar as tropas fascistas do Coronel, se volta contra os macacos em fuga, uma providencial avalanche varre os soldados da face da Terra.

Salvam-se os macacos trepados nas árvores e a adotada menina Nova. A correção política do antirracismo celebra o extermínio dos humanos, já que eram racistas e não toleravam conviver com os macacos. A morte de Caesar, ferido na luta, anuncia a aurora de um Planeta renovado, onde o apocalipse da América branca é agora um final feliz.

A POLITIZAÇÃO DO OSCAR

1 mar

A maior gafe da história do Oscar foi cometida na sua 89ª edição em 2017, quando os veteranos atores de Bonnie and Clyde (Bonnie e Clyde – Uma rajada de balas, 1967), de Arthur Penn, Warren B…

Fonte: A POLITIZAÇÃO DO OSCAR

Galeria

Repercussão Artística da Condição Humana

14 jan

Luiz Nazario (O Espírito do Tempo – Quadro Histórico do Período Naturalista)

O século XIX foi o século das massas e das grandes invenções da vida prática. O século dos modernos meios de comunicação – os primeiros telegramas, linotipos, rotativas, telefones, gramofones, cinematógrafos. O século dos modernos meios de transporte – os primeiros elevadores, automóveis, balões dirigíveis, aviões, submarinos, ferrovias continentais e  intercontinentais. E o século da eletricidade – da luz elétrica, do trem elétrico, do balão elétrico (dirigível), do bonde elétrico, do fogão elétrico, do forno elétrico, da cadeira elétrica. Todos os Estados europeus foram se alinhando à evolução geral da democracia burguesa, e uma sucessão frenética de invenções reformatou a vida humana: máquinas agrícolas plantavam e colhiam, reduzindo a mão de obra; ferrovias substituíam as estradas de terra; os primeiros automóveis começaram a aposentar as carruagens; dirigíveis cruzavam os céus antecipando os futuros aviões; a eletricidade substituía a…

Ver o post original 1.986 mais palavras

ELIE WIESEL (1928-2016)

4 jul
Elie-Wiesel-NYC-3.9.07-075
Morreu, aos 87 anos, em Nova York, o grande escritor judeu Elie Wiesel, nascido na Romênia e sobrevivente do Holocausto, autor de mais de 50 livros, e que dedicou sua vida a promover os Direitos Humanos, denunciando injustiças e genocídios em todo o mundo.
Seu relato autobiográfico A noite, onde recorda os horrores de Auschwitz e, no último  capitulo, a terrível morte de seu pai, é uma das obras essenciais da literatura de testemunho do século XX.
Há muitos anos, assisti, acompanhado de minha mestra e orientadora, Anita Novinsky, a uma palestra que ele, Prêmio Nobel da Paz, apresentou na USP. Foi emocionante.
A escrita de Wiesel  era simples, sem rebuscamentos, quase didática, mas continha uma cultura milenar, que ele conhecia a fundo, e revelava sem alarde, em  pequenas doses, ao grande público, como nestas reflexões sobre os livros que compilei de Sinais do Êxodo:
Quando viajo, tenho sempre medo de que me faltem livros. A metade de minha bagagem se compõe de coisas para ler, a outra metade, do que preciso para escrever.
O inferno é antes de tudo um lugar sem livros. Sem um único livro. O que seria a vida sem o poder que têm os livros de despertar nossa fantasia, de metamorfosear as coisas apenas por revelar seu nome secreto?
Hitler e Stalin sabiam a importância dos livros para o judeu.
Por isto um os queimou na Alemanha e o outro os fez desaparecer na Rússia. A polícia de Stalin tomou o cuidado de quebrar os caracteres hebraicos nas gráficas judaicas de Moscou, Kiev e Odessa. Seu ódio patológico se desencadeava sobre a fé judaica e, do mesmo modo, sobre a cultura judaica. O alfabeto hebraico, o alfabeto do iídiche, o irritavam, despertavam sua fúria, eram para ele um desafio; por isto ele condenou à morte aqueles sinais tipográficos, aquelas velhas letras quadradas. Mas nisto, ele não teve sucesso. Como o rabi Hananya ben Teradyon, podemos testemunhar e dizer: Gvilin nisrafin – sim, os pergaminhos podem queimar, mas não as letras, não o espírito, não a visão, não a alma de um povo unido, devotado aos valores eternos, à eternidade.
E, no entanto, sente-se às vezes em alguns mestres alguma reticência quanto a escrever livros. Ari, “o santo”, nunca escreveu nada; nem o Besht; rabi Nahman deu ordem a seu fiel escriba rabi Nathan de queimar seus escritos, e devolvê-los ao céu. Rabi Bounam de Pschiskhe redigia uma obra intitulada O livro do homem; ele deveria conter tudo o que diz respeito à vida e ao homem, à história e à fé, ao passado e ao futuro. Projeto ainda mais grandioso e assombroso já que o autor desejava que sua obra coubesse inteira em uma só página. A cada dia, ele redigia essa página, e a cada noite a atirava no fogo.
Quanto ao ilustre e solitário visionário de Kotzk, ele explicou, um dia, por que se recusava a escrever livros. Quem os leria? Alguns aldeões. E quando teria tempo de lê-los? Certamente não durante a semana. No Shabat, então. À noite? Ah, não, ele está cansado demais. Pela manhã, então. É isto, sim, depois do ofício da manhã. Depois da refeição sabática. Ele apanharia o livro – meu livro – e se deitaria no sofá, finalmente pronto, e desejoso de ver o que tenho a dizer sobre a Torá e o Talmude. E então – ele está tão cansado que seus olhos se fecham logo na primeira página.